MACROTENDÊNCIAS PARA AS PRÓXIMAS DÉCADAS

Postado em 18/08/2016 | Autor: Proatividade Mercado

       Uma das ações-chave de uma empresa proativa é a detecção de sinais e dinâmicas do mercado. Nesse contexto, algumas grandes tendências sempre se destacam, funcionando como verdadeiras incubadoras da mudança futura. Neste post listamos aquelas que são, em nosso ver, algumas das macrotendências que cada vez mais direcionarão os movimentos de muitos mercados no Brasil.

.

tendencias marketing

 

      Essas tendências de largo alcance já ostentam fatos bem claros, a partir dos quais se projetam cenários para os próximos 5, 10, 20 e até mesmo 30 anos. Analise essas macrotendências e reflita: quais os impactos de médio e longo prazo que elas trazem para a sua empresa e seu negócio? Que oportunidades de antecipação ocultam? Quais são ameaças? De que forma e em que tempo elas afetarão meu negócio? Minha empresa está preparada para elas?

       Boa reflexão!

 

MACROTENDÊNCIAHOJECENÁRIO FUTURO
Envelhecimento da população brasileira - Taxa de natalidade em 1,8 filhos por mulher.
- Taxa de natalidade caiu 18,6% entre 2004 e 2014.
- 23 Milhões de pessoas com mais de 60 anos (12,5% da população).
- Em 2004 a população acima de 60 anos era de 9,7%.
- 2020: Taxa de natalidade em 1,5 filhos por casal.
- 2030: 40 milhões de pessoas com mais de 60 anos.
- Número de idosos quase triplicará no Brasil até 2050, chegando a 64 milhões de pessoas com mais de 60 anos (30% da população).
Papel da mulher na economia e na sociedade- Na classe C, 40% da renda já provém das mulheres.
- Cerca de 35% das famílias têm como pessoa de referência uma mulher.
- Proporção de famílias chefiadas por mulheres cresceu mais do que quatro vezes nos últimos dez anos.
-Famílias chefiadas por mulheres continuarão aumentando em representatividade.
- Crescerá o ingresso de mulheres no mercado de trabalho, a postergação da idade ao casar e o contínuo aumento da escolaridade do público feminino.
Comércio OnlineBrasil já está entre os 10 maiores mercados mundiais do comércio online.
Vendas eletrônicas ultrapassaram a casa dos R$ US$ 16 bilhões de faturamento anual em 2015.
Cerca de 25 milhões de consumidores já participam das compras online.
Considerando que ainda apenas 20% dos internautas brasileiros fazem compras online, e que a difusão da Internet está diretamente associada ao crescimento do número de computadores, há uma tendência de demanda com perspectivas gigantescas de crescimento.
Estima-se que em 2018 as vendas online no Brasil ultrapassem os US$ 26 bilhões.
Urbanização da populaçãoQuase 85% dos 190 milhões de brasileiros já vivem em áreas urbanas.Em 2050 apenas 3% dos brasileiros viverão na área rural.
Novas estruturas familiaresA célula familiar tradicional – pai, mãe e filhos – representa hoje, somente cerca de 40% dos quase 60 milhões de domicílios.
12% dos domicílios no Brasil são habitados por apenas uma pessoa.
14% dos domicílios são de casais sem filhos.
Tendência de crescimento das famílias unipessoais (homem ou mulher morando sozinhos), famílias estendidas (homem ou mulher, com ou sem filhos e outro parente).
Tendência à diminuição ainda maior da célula familiar tradicional.
Crescimento dos nichos de mercadoSegmentos e nichos como o das pessoas com mais de 60 anos, minorias étnicas, portadores de necessidades especiais e novos estratos familiares, já representam parcelas significativas do mercado. Tendência de crescimento do número de consumidores adeptos do consumo saudável e do consumo socialmente responsável. Novas unidades familiares representando segmentos com alto potencial, como o dos singles, homens e mulheres que moram sozinhos.
Consumo Kids e TeenCrianças de 0 a 14 anos representam mais de 45 milhões de brasileiros, quase 25% da população.
O Brasil é o segundo maior país consumidor de produtos infantis destinados a crianças de 0 a 10 anos.
No Brasil, nove em cada 10 adolescentes (de 15 a 18 anos) tem celular.
Tendência de crescimento do consumo consciente; os adolescentes serão cada vez mais propensos a valores sociais e culturais, ou seja, serão mais sensíveis a marcas e produtos associados a uma ética política positiva.
Crianças e adolescentes cada vez mais conectados e com demanda para tecnologia, viagens e cultura.
Economia
Compartilhada
Serviços como Uber e Airbnb, configurando uma nova modalidade de oferta.
Conceito de propriedade perdendo força nas faixas mais jovens da população.
Substituição da posse dos bens pelo benefício da utilização.
Compartilhamento sendo visto como sustentável e socialmente responsável, como é caso do mercado automobilístico.
Disseminação e consolidação de formas de compartilhamento, tais como: veículos (caronas), serviços de transporte (Uber e similares), hotelaria (Airbnb e similares) e até econômicos, por meio de moedas sociais e digitais. Compartilhamento do acesso à propriedade privada (carros e imóveis).
Crowdfunding e outros sistemas de micro finanças também se apresentam nesta macrotendência.

 



Deixar uma Resposta